Nos dias de hoje, muito se discute a importância de um faixa branca.
Mas se olharmos num passado breve e num presente ainda presente, a história não será exatamente a mesma. Nós brasileiros, exportamos o jiu jitsu, mas é incrível como ainda não conseguimos tratar da melhor maneira quem todo mundo um dia já foi: um faixa branca. Isso, por sua vez, afasta quem talvez ainda seja um mero curioso e entusiasta da arte suave, por não saber o tipo de trato que terá. Pois bem, se você está pensando em começar, esse texto é pra você! E se você se encaixa ainda como um faixa branca ou já tem anos de jiu jitsu, esse texto é pra você também!

Antes de mais nada é importante salientar que cada equipe, ou melhor, cada CENTRO DE TREINAMENTO tem a sua metodologia, o seu trato com os alunos e isso, segundo o que acredito, é a identidade do seu professor e das suas crias. Uns gostam de corredor, outros não. Uns lidam com a high society, outros são “favelados”. Uns prezam mais a parte técnica, outros mais a parte física. Uns são mais competidores, outros prezam mais a defesa pessoal. Cada professor teve um tipo de ensinamento que difere dos outros, uma particularidade que diferencia ele dentre tantos outros professores, e por isso, não há como existir uma “fórmula certa”. O que não se pode, é ser maluco! Como faixas preta de arte marcial, o mínimo que se espera de uma pessoa armada de todo esse arsenal, é equilíbrio emocional.

Pois bem, assim que o “futuro praticante” chegar no tatame (nome dado à área da prática esportiva), o aluno tem que ter noções básicas. A primeira delas é a HIGIENE. O tatame é o local onde você vai lutar e todo seu corpo estará em contato com ele: pés, pernas, tronco, braços e rosto. Então para mantê-lo limpo e em condições de treino, entre sempre limpo, de banho tomado, unhas cortadas e deixe os calçados na beira do tatame para, caso haja necessidade, calça-los assim que sair dele.

Após a “higiene”, vem o RESPEITO. Não se entra em nenhum lugar no mundo sem pedir licença e no tatame não é diferente. Antes de entrar, peça permissão ao professor e quando recebê-la, CUMPRIMENTE o tatame, o professor e os companheiros de treino por ordem de graduação.

Falando agora como um praticante de 16 anos: você já é um faixa branca – e isso pros graduados já é motivo para brincadeiras -. Então não dê mole! Não existe nada mais faixa branca que amarrar a faixa errada. Antes mesmo de começar a aula, mostre SAGACIDADE (você vai precisar dessa qualidade no jiu jitsu pro resto da vida) e pesquise, olhe ou se informe com o professor e companheiros de treino como amarrar a faixa da forma correta. Te garanto que essa atitude vai te poupar boas encarnações!

Então no passo a passo já temos: HIGIENE, RESPEITO e SAGACIDADE.

Agora, o que você mais vai precisar ser é, ao mesmo tempo, HUMILDE E ESPERTO.

Como todo e qualquer iniciante, você não sabe o que fazer. Uma boa escola como qualquer GFTeam (que você pode encontrar a mais perto clicando aqui) vai te ajudar da melhor forma possível no seu ensino do jiu jitsu. O erro vai te ajudar sempre… e muito!
Então seja esperto e pró-ativo! Preste atenção na hora da explicação e tente executar os movimentos depois que o professor passar, e se mesmo assim ainda tiver dúvidas, seja HUMILDE e pergunte como fazer. Isso não é exclusividade sua. Com o passar do tempo, você vai ver que todos – inclusive faixas preta- tiram dúvidas!

E por último mas não menos importante, SEJA VOCÊ MESMO E SE DIVIRTA!
Não é porque você está num ambiente de luta que você precisa ser “o brabão”. Dentro do tatame você será conhecido nada mais, nada menos como um grande vaidoso e isso só vai afundar ou pelo menos, atrasar a evolução do seu jiu jitsu. Tenha identidade própria e eu te garanto que seguindo esse passo a passo, você, ao final do dia, terá feito a melhor escolha da sua vida.

#GFTeamNãoPara

Comente essa publicação:

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

Logo_footer   
     2016 - Grappling Fight Team

Redes socias: